Programa inédito incentiva a produção e melhoramento do rebanho leiteiro em Fabriciano

Foto: Reprodução

O município de Coronel Fabriciano avança com as ações do “Programa de Melhoria e Eficiência da Bovinocultura Leiteira”. O programa integra as políticas da Prefeitura para aprimorar a produção agropecuária, gerar emprego e renda no campo e garantir mais qualidade de vida ao pequeno produtor. Ao longo de janeiro, a equipe técnica da Prefeitura segue com o trabalho de inseminação e acompanhamento das vacas selecionadas, nas fazendas já cadastradas.

A iniciativa visa ampliar a produtividade do rebanho, por meio de assistência técnica gratuita e controle das matrizes leiteiras. O zootecnista e técnico da Emater-MG, Manoel Simões explica que o objetivo do programa não é incentivar novos produtores ou investir na ampliação do rebanho, mas melhorar a eficiência daqueles que já se dedicam à atividade. “Vamos trabalhar junto com os produtores, do lado de dentro e de fora da porteira, para orientar sobre gestão, custos de produção e técnicas usadas, identificar mercados e definir, conforme os dados da propriedade, ações para solucionar gargalos e tornar a produção mais eficiente”, resume.

O programa de Eficiência da Bovinocultura Leiteira começou em meados deste ano. O primeiro passo foi o cadastro e levantamento completo dos produtores de leite. Foram feitas análises qualitativa e quantitativa do pecuarista, da propriedade e tecnologia usada atualmente; análise de dados e desenvolvimento de um plano de ações conforme a realidade do produtor leiteiro e apresentação de uma agenda de capacitações. A próxima etapaé a realização do torneio leiteiro, quando serão avaliados 10 índices de produção, gestão e manejo mês a mês durante todo o ano de 2019, apresentando ao final o produtor que no conjunto foi o mais eficiente.

O programa, inédito no município, é desenvolvido pela Secretaria de Governança do Desenvolvimento Econômico, Turismo e Cultura em parceria a Emater (Empresa de Assistência Técnica e Extensão Rural). O programa é uma das metas do atual governo municipal “A produção leiteira não é uma tradição na cidade. Mas queremos dá condições aos pequenos produtores existentes para que produzam com eficiência”, finaliza José Maria Rosa, coordenador de Projetos e Programas Rurais de Coronel Fabriciano,

DIAGNÓSTICO E ACOMPANHAMENTO

O programa cadastrou 25 produtores, com rebanho estimado em 250 vacas. Mas por falta de suporte técnico e incentivo por parte dos governos anteriores, a produção seguiu estagnada até então: hoje, só a metade do rebanho tem lactação e a produção por cabeça é de 4 litros/dia, totalizando 500 litros diários. Os números apontam que o índice de vacas em lactação é de 51%, o desejado seria de 80%. A proposta do município é ampliar a produção de leiteira, chegando aos 10 litros por matriz.

Para o primeiro ano do programa, foram selecionados sete produtores, totalizando 91 vacas. As propriedades bem como os animais serão acompanhadas durante os 12 meses. “O apoio na reprodução animal e melhoramento genético do rebanho é uma importante etapa do programa. Mas também vamos orientar sobre a estrutura da propriedade e genética, manejo, melhoria da pastagem e alimentação balanceada dos animais. A proposta é garantir a eficiência das vacas inseminadas e, posteriormente, do rebanho como um todo”, explica o médico veterinário, Luide Silva Benevenuto, que é especialista em pecuária leiteira.

PRODUTO DE QUALIDADE

A propriedade de Washington Maurílio, 62, é uma das selecionadas pelo programa, cujas vacas já foram inseminadas. Engenheiro metalúrgico aposentado, Maurílio começou plantando eucalipto há 22 anos e hoje faz planos para tornar a propriedade e rebanho mais eficientes, sem perder de vista o respeito ao meio ambiente. Com 43 cabeças de gados, sendo 16 vacas, a produção do sítio fica em torno de 20 litros por dia. Boa parte da produção é transformada em queijo gourmet, com receita trazida da Serra da Estrela, em Portugal.

“O programa valoriza o homem do campo e é um incentivo extra para o produtor rural investir e ampliar seus negócios. Estamos construindo um moinho de água e temos planos de reformar o curral. Com o aumento da produção, eu e minha esposa, Isabel, temos o projeto de construir uma leiteria e queijaria”, explica.  Além de leite, Maurílio também produz mudas de espécies nativas para plantio em sua propriedade e doação para os vizinhos. “Queremos uma produção eficiente e sustentável. Hoje é um hobby, mas tornar a propriedade autossuficiente será ótimo”, completa.

AGRICULTURA FAMILIAR

A participação dos pequenos e médios produtores é indispensável para assegurar o futuro alimentício do país e até mesmo no mundo. Segundo dados do Conselho Empresarial Brasileiro para o Desenvolvimento Sustentável (CEBDS), 70% dos alimentos que estão na mesa dos brasileiros são produzidos por esses produtores, que também detêm 77% da mão de obra do campo e que possuem o maior número de propriedades rurais (90% das propriedades rurais do país têm menos de 100 ha).

A administração municipal também acredita na força da agricultura familiar, com destaque para Serra dos Cocais. Pela primeira vez, os produtores tiveram acesso a crédito e apoio técnico especializado, por meio de convênio com a Emater, para investir na atividade. Hoje, os alimentos produzidos, sem agrotóxicos, são 100% adquiridos pelo município através da Secretaria de Educação via Programa Nacional de Alimentação Escolar. Em 2018, a compra foi recorde, com R$ 900 mil em hortaliças, legumes e frutas in natura destinados para merenda escolar da rede municipal de ensino e entidades assistenciais. O município também apoiou a fundação da Associação de Agricultores Familiares da Região Metropolitana do Vale do Aço.

Fonte: PMCF

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here