Sociólogo Francisco de Oliveira, fundador do PT, morre em SP aos 85 anos

O sociólogo Francisco de Oliveira, um dos fundadores do PT, morreu nesta quarta-feira, 10, em São Paulo, aos 85 anos, de causa não divulgada. A informação foi confirmada pela Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas da USP (FFLCH-USP), onde ele era professor desde 1988, no Departamento de Sociologia.

Francisco Maria Cavalcanti de Oliveira era formado em ciências sociais pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) em 1956 e concluiu um doutorado em sociologia pela Universidade de São Paulo, em 1992. No ano de 2004, o sociólogo recebeu o prêmio Jabuti com a obra Crítica à Razão Dualista – O Ornitorrinco, publicado pela editora Boitempo.

Ele tornou-se crítico ao PT após a chegada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Presidência, em 2003. Em entrevista em 2016, disse que o partido como “força transformadora tinha acabado”. Ele também ajudou na fundação do PSOL, partido do qual também se afastou.

Em nota, o PT afirmou que “Chico de Oliveira participou da fundação do PT, junto a uma geração brilhante de intelectuais” e “durante um bom tempo contribuiu para a construção do programa do PT”.

“Destacou-se pela capacidade crítica, por um marxismo inquieto, voltado a interpretar e mudar a realidade brasileira. Sua grande obra, Crítica à Razão Dualista, ainda serve de referência para compreender os grandes marcos de análise do desenvolvimento do capitalismo no Brasil. Contrapondo aos que defendiam o desenvolvimento como modernização e aos que separavam desenvolvimento na periferia de superação do capitalismo, Chico nos honrou com seu esforço de tornar o socialismo um horizonte menos longínquo”, afirmou a direção do partido.

A nota, no entanto, também lembrou que Oliveira foi um crítico ao partido, do qual se desfiliou em 2003, mesmo ano que Lula assumiu o cargo de presidente da República. “Nunca foi, no entanto, adversário. Marchava por caminho diferente, mas em busca de um horizonte comum”, disse a legenda. “Em nome do PT reconhecemos e agradecemos sua grande contribuição ao partido”, que terminou a nota com a frase “Chico de Oliveira presente!”

Textos clássicos

O Cebrap (Centro Brasileiro de Pesquisa e Planejamento), instituto que foi presidido por Oliveira entre 1993 e 1995, também emitiu nota oficial lamentando a notícia da morte do sociólogo. “Autor de textos clássicos das ciências sociais brasileiras como Crítica à Razão Dualista, Chico de Oliveira foi o intelectual rigoroso e sofisticado que participou de pesquisas que moldaram o debate brasileiro e que formaram gerações de novos pesquisadores”, escreveu.

“O Cebrap reverencia a memória de Chico de Oliveira e exprime sua gratidão pelo privilégio de poder ter contado durante tantos anos com sua energia e seu engajamento na produção de conhecimento inovador e na construção de um país justo e soberano”, concluiu.

Antes de sua carreira intelectual na USP, no PT e no Cebrap, Oliveira trabalhou no Banco do Nordeste (no final dos anos 1950) e na Sudene (Superintendência de Desenvolvimento do Nordeste) entre 1959 e 1964, ao lado do economista Celso Furtado.

O velório do sociólogo está marcado para às 17h no Salão Nobre do Prédio da Administração da FFLCH, na Zona Oeste de São Paulo.

DEIXE SEU COMENTÁRIO

Please enter your comment!
Please enter your name here